Puros & Vinhos

sexta-feira, maio 09, 2008

Sexta Prova á Quinta de 2008

Aqui fica o relatório de mais uma prova á Quinta dos Puros & Vinhos. Os vinhos foram provados em prova cega e os comentários aos vinhos são da minha responsabilidade.
Nos comentários a esta mensagem deixem as vossas considerações.

Vila Maria Sauvignon Blanc 2007 Private Bin Br (Nova Zelandia) - Cor amarelo palha, muito clara, quase deslavada, quase água.
Uma explosão, um cataclismo, uma erupção de frescura, fruta e aromas vegetais de tal magnitude que as narinas tremeram do impacto! Não se brinca em serviço, este branco neo-zelandês tem um impacto fortíssimo. O efeito "Nasex" na sua plenitude! Não há nada que enganar, estamos perante um Sauvignon Blanc da Nova Zelândia. O perfume é inebriante, empolgante, estonteante e as ondas de impacto ressoam pelo copo. O maracujá pulsa, a erva parece acabada de cortar, a lima acabada de espremer, o xixi de gato acabado de fazer, enfim, o panorama é viciante e damos conta que levamos o copo uma vez mais ao nariz, e outra, e outra, e outra, sem conseguir parar.
A vastidão da fruta, a imensidão, a incomensurabilidade, a luxúria, o exotismo e a intensidade de aromas eventualmente não são deste planeta. Tudo bem, não é subtil, não é discreto, é espampanante e a complexidade é uma palavra que não faz parte do seu léxico... mas é guloso, tão guloso e tão apetecível que quase esquecemos esse seu lado "resplandecente". Quem nunca provou um Sauvignon Blanc neo-zelandês não sabe o que perde! Média:15,89 Custo: 7€

Morgado de Santa Catherina reserva 2006 Br (Bucelas)- Cor amarelo carregado, com reflexos dourados. Ainda se sente a madeira nova onde estagiou, um pouco pesada, embora se perceba que a "aclimatização" madeira/vinho ainda se está a dar e que a tendência é de harmonização entre as duas partes. Está pesado de aromas, sendo um vinho mais adequado para uma estação de transição, como o Outono ou a Primavera. Apresenta igualmente algumas características citrinas, uma leve queda herbácea e ténues sugestões de jasmim.
Boca melosa, gorda, pançuda, é um vinho muito redondo, sem qualquer aresta, rebarba ou saliência. Acaba por resultar
demasiado plano na boca, um vinho muito previsível, sem surpresas e sem vivacidade que o alegre. Final súbito, repentino, tem uma passagem de boca algo anémica e anónima que está longe de corresponder aos pergaminhos que o vinho foi juntando ao longo dos anos. Média:15,22 Custo:9,8€

Esporão Reserva 2007 Br (Alentejo) - É um vinho intenso com os "tiques" da madeira bem presentes, tanto nas notas amanteigadas como nos tostados fortes. Aliás as notas fumadas e tostadas neste momento têm uma predominância nas notas aromáticas. Mas também se distinguem notas de erva seca, petróleo e alcatrão, bem como interessantes sugestões a pêssego, alperce e torrada.
A prov
a de boca revela um vinho gordo, redondo, untuoso, encorpado. A madeira está muito presente, talvez mesmo em demasia e infelizmente falta-lhe acidez para lhe dar maior vivacidade e o tornar menos plano. Média:13,94 Custo:7,95€


Quinta do cachão Grande Escolha 2004 (Douro) - Granada baço com média concentração e apontamentos violáceos no bordo. Início pouco expressivo com um aroma difuso a mostrar lenho, notas vegetais pouco pronunciadas, algum rebuçado de morango e uma vaga sensação a madeira húmida. Só com o arejamento as coisas mudam de figura: sobressai a fruta vermelha -morango, framboesa e groselha-, discreta violeta, apontamento terroso, vinco tostado e pontas adoçicadas que lhe dão um toque caramelizado. Macio, embora modesto no corpo, com a acidez a proporcionar um ataque redondo e relativamente fresco. Sem desequilíbrios, mas muito linear no palato, acusando alguma diluição de sabores e com a marca do lenho a envolver o fruto. Despede-se com correcção, deixando a marca de um tanino miúdo a envolver as notas de framboesa. Tudo certinho, arranjadinho e muito compostinho. E, contas feitas, não será completamente descabido falar em delicadeza porque o vinho arrasta consigo uma óbvia "costela" feminina. Pena a vulgaridade da estrutura, não se descortinando forma de lhe prolongar a vida em garrafa. Média:14,22 Custo:19€

Aneto 2004 (Douro) - O contra rótulo refere que "Aneto é uma planta aromática e medicinal, considerada erva mágica, utilizada para poção do amor, crescendo espontaneamente a baixas altitudes e locais muito quentes. Abunda nas vinhas de Sobradais e Malvêdos, freguesia de Castelo do Douro". Nariz complexo, de qualidade superior, um bocado fechado. Emana cereja e ginga,, no limite da concentração aprazível. A baunilha e as especiarias cobrem aromas a fruta. O conjunto é avivado por uma frescura indispensável, sóbria, que não retira protagonismo ao fruto. Um ramo de violetas surge, por vezes, para desafiar a nossa imaginação, num conjunto que conseguiu um equilíbrio notável da fruta. Na boca, sabores frescos a fruta, de concentração equilibrada, percorrem as paredes do palato de forma gulosa e distinta. Os taninos, envolvidos nesta estrutura, colam-se às paredes do palato, conferindo profundidade e longa persistência de sabores a cereja, ginga e leve madeira. A acidez enaltece o conjunto, acabando por polir um final de boca distinto, equilibrado e sedoso. Tal como no nariz, a prova de boca consegue um equilíbrio notável da fruta. Média:14,88 Custo:12€

Paulo Laureano Clássico 2006 (Alentejo) - Mostra cor rubi de concentração mediana, aromas a apontar para a fruta madura e doce, um toque de vegetal seco e uma pincelada de pimenta branca. Corpo franzino, confirma a mensagem transmitida pelo nariz, com fruta doce, simples e sincera, mostrando um final de intensidade e comprimento mediano. Taninos ligeiros, temos um tinto muito leve que precisa engordar em futuras edições.Média:15,05 Custo:3,99€



Herdade dos Grous Reserva 2006 (Alentejo) - Tonalidade rubi concentrada a suportar um aroma rico e poderoso onde o álcool aparece bem integrado. Início marcado pelas notas de canela e noz moscada. Sugestões de cedro a conferir algum exotismo a um conjunto onde a fruta macerada -ameixa, cereja e amora- se mistura com as especiarias. Impressivo na entrada, encorpado mas não pesado, e munido de uma acidez suficiente para que a doçura frutada não se torne enjoativa. Muito bem doseado na extracção com apontamentos telúricos a intrometerem-se no perfil frutado. Taninos persistentes, mas muito polidos, a ampararem o fruto e as sensações tostadas no final. Um tinto de nova geração onde gostava de ter encontrado maior persistência final. Média:16,6 Custo:27,6€

Soberana 2004 (Terras do Sado) - A madeira dá suporte a aromas de frutos vermelhos, florais e vegetais. Algum álcool a prejudicar a prova. Na boca o vinho está austero. Os taninos conferem uma secura que encobre os sabores da fruta. O vinho tem corpo médio/cheio mas a estrutura não aguenta o álcool. O comprimento no palato é moderado, e o final de boca é médio/longo. A acidez é elevada e promete um bom futuro para o vinho, apesar do final de copo revelar alguma acidez volátil, indicando que o vinho necessita de tempo para estabilizar.Média:15,8 custo:15€

Finca Sandoval 2005 (Manchuela/Espanha) - Um factor de curiosidade neste vinho, o facto de o seu produtor ser um dos críticos de vinhos mais famosos de Espanha, o conhecido Víctor de la Serna. Pois este Finca Sandoval apresenta cor grenat muito intensa, do mais opaco e profundo que tive oportunidade de observar. Aspecto denso, compacto, cerrado, maciço, a deixar adivinhar um vinho muito concentrado e potente. Mostra aromas de fruta muito madura, amoras, cassis (groselha preta), cereja, ameixa preta e mesmo uva passa. Notam-se aromas alicorados em profusão, cânfora, aromas florais (com particular incidência de violetas), especiarias e notas subtis da tosta da madeira. Ainda nas profundezas, mas já presentes, encontram-se leves notas minerais e pequenas sugestões balsâmicas. Um nariz forte, intenso, tal como a cor já sugeria...
A boca não esconde a sua origem de terra quente, embora consiga manter todos os componentes em equilíbrio e harmonia. É um vinho que impressiona pela dimensão e pela potência, sendo contundente na estrutura. É amplo, com corpo médio/cheio, com taninos maduros e fortes e com um evidente predomínio da componente frutada sobre as restantes. Com boa acidez que contrabalança a doçura, é sem dúvida um vinho muito guloso e atraente. Final longo e concentrado. Um vinho... de estalo! Média: 17 Custo:22€

Paulo Laureano Singularis 2004 (Alentejo) - Nariz complexo, original, distinto, misturando amora e mirtilo com um toque balsâmico, a feno e a caruma de pinheiro. Na boca transparece atributos de peso como elegância, finesse e subtileza. Apresenta-se redondo, complexo na longa evolução, fresco. A estrutura não impressiona mas a qualidade dos sabores a fruta, especiarias e vegetal estimulam positivamente o sentido do paladar.Média:16,20 Custo:8€


purosevinhos@gmail.com

27 Comments:

Blogger PAULO SOUSA said...

Não aparece aquele vinho que custou em 1997,mil e duzentos escudos?

5:57 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

Em 1999,peço desculpa...

5:59 da tarde  
Anonymous Antonio Amaro said...

Boa tarde

Sobre a última prova não tirei notas suficientes... eram muitas garrafas.

Villa Maria - Igual a si mesmo, sem surpresas um branco que deixa marca própria.
Finca Sandoval - Numa prova "completamente" cega o melhor da noite, mas em minha opinião não é um vinho de excepção.
Herdade dos Grous reserva - Um bom vinho tinto, com um preço um pouco excessivo, em minha opinião.
Paulo Laureano Singularis - Um vinho equivalente ao anterior em termos de apreciação global. Se lharmos ao preço parece-me um melhor "value for money".

Deixo já aqui um desafio para a próxima prova. Quero uma prova de vinhos até 10 euros, mas com o vinho a vir para a mesa em garrafa neutra ou decanter...
Assumo-me já como candidato ao título. Ah! os 10 euros é já com tudo incluido, portes, aromas e cores.
Fica o desafio...

Um abraço

6:48 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

Andei a beber agua o dia todo e o Finca não me sai da boca,um final longuissimo...Espero amanhã já poder provar alguma coisa...

9:38 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

Acho que o Herdade dos Grous foi prejudicado pela temperatura,acho que com uma temperatura correcta poderia ter sido o vencedor da noite.Grande desilusão o reserva branco da Herdade do Esporão.
O Finca com um corpo médio seria um vinho de classe mundial.
O Villa é um perigo para se beber no verão...é pra comprar ás grades como dizia o Mário


Um abraço para todos

p.s - Acho que estas provas estão a ficar cada vez com mais interesse,e são momentos muito bem passados.

10:15 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

A groselha preta é o chamado "Cassis cámone"?Estou correcto?

10:17 da tarde  
Blogger Mario Joao said...

Depois de esmagado por um MENIR menor... um Alfrocheiro Preto QTa de Cabriz de 99, que não deixa saudades nem recordações. Foi pena porque há 3 ou 4 anos atrás bebi um Reserva ( não sei de que ano ) que recordo com satisfação e que me tornou apreciador desta casta. Mas este é para esquecer!
Quero dizer não o vou conseguir esquecer pois sei que vou ser gozado até mais não! Mas mantenho a minha "independência" firme e hirta!
Quanto aos restantes vinhos deixo a minha opinião sobre os que me marcaram:
VILLA MARIA - A Grande surpresa da noite. Agora com o verão e bebido bem fresco vai ser necessário comprar umas grades. O seu preço razoavel assim o aconselha.
HERD. GROUS RESERVA 2006 foi o tinto que mais apreciei na prova cega. Mas tem um preço exagerado para aquilo que nos´"dá" . Tenho várias garrafas deste vinho em casa mas nunca como nesta prova me soube tão bem !Coisas do vinho ;-)
FINCA SANDOVAL 2005 gostei do vinho mas mesmo que carregado de cassis camóne não me parece ter o final longuissímo que se apregoa e acho a nota dada influenciada pelo facto de ter sido o portador da botella a escrever! INDEPENDÊNCIA!!!!
Sinceramente, e que sei eu destas coisas..., achei que esta prova foi fraca e que me desiludiu mas a companhia continua a compensar noites "destas" e no fim é isso que interessa !
Um abraço a todos os puristas e até ao próximo encontro que julgo ser o jantar dos PUROS & VINHOS.

2:57 da manhã  
Blogger Presidente said...

Cassis- existe na europa do Norte.
E tb já temos plantado no nosso Portuga. Mas até parece que nunca bebeste groselha.

Quando dizes que o Finca se tivesse corpo médio seria um vinho de classe mundial, penso que não estavas com atenção ao que estavas a beber, pois o vinho agarra-se ao palato como se não houvesse amanha.
No dia seguinte ainda me lembrava de como o vinho me soube tão bem

Um espetaculo de vinho, não compreendido poralguns provadores que baixaram a nota por causa de opiniões de terceiros.

Quanto á prova de vinhos a menos de 10 euros, acho uma boa ideia. Na proxima prova faremos essa experiência.

10:04 da manhã  
Blogger Presidente said...

Para quem reparou melhor, o vinho que saiu a seguir ao Finca parecia um menino "imberbe", enquanto o outro parecia um Sr.Finca.
Na minha modesta opinião este Finca foi um dos melhores do ano e com um preço muito bom Vs qualidade.
Quanto ao Grous é um vinho que não surpreende, é certo que o vinho estava mais quente que outros que foram á prova, mas a acidez não acalma a doçura da fruta, tornando o vinho previsivel e sem o "golpe de asa" que todos os vinhos que se consideram muito bons necessitam

10:15 da manhã  
Anonymous António Amaro said...

Eu retiro a minha candidatura ao titulo de melhor até 10 euro e revelo os meus trunfos aos meus confrades.

Quinta Nova da Nossa Senhora do Carmo, Douro.

3 Pomares 2006, tinto.
Um bom Douro a um bom preço. Nota 15,5 a 5,5 euro.

Mas a surpresa foi para mim o Quinta Nova 2006 Unoaked.
è um vinho tinto jovem, que não foi à madeira. O resultado é um vinho carragado de muito bons aromas primários. Frutos vermelhos e muitos e bons frutos do bosque aroma complexo,embora sem notas de madeira.
È um vinho que se bebe sem cansar e mesmo sem comida.
Utilizando a analogia do Mário João este vinho é um bom complemento ao Villa Maria... isto é, depois de se ver o mar da Nova Zelândia através de uma garrafa de Vila Maria...está no hora de dizer, agora vamos até ali ao bosque, cheirar umas groselhas, uns mirtilos e sabe-se lá mais o quê...

Para mim nota 16,5 ao preço de 7,1euro.
Provem lá e depois digam-me se gostaram.

Abraços

10:44 da manhã  
Blogger Presidente said...

Era o vinho que eu iria levar, mas assim terei que escolher outro. Na minha opinião com nota acertada.

Atenção que já bebemos o grande reserva num prova á Quinta, que foi o melhor vinho tinto para o grande júri, e houve Confrades, desculpem um confrade a dar criticas depreciativas ao vinho ( vinho de cheiro, sem corpo, sem final, etc.) é um excelente vinho ao qual dei a nota de 17.

12:32 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

Neste momento o nosso presidente é um misto de caceteiro/Alcina Lameiras.
É só bater...Quinta da nossa senhora do Carmo,quando o provei era só madeira.Esta é a minha opinião.
Depois o confrade Malé diz que vai levar o 3 pomares para a prova cega e não é que a Alcina adivinhou...Era mesmo esse que ela ia levar...



Um abraço

10:27 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

Alguém sabe o que são Ribes Nigrum?

10:31 da tarde  
Blogger Presidente said...

Não era o 3 Pomares mas sim o Unoaked.
Ribes Nigrum- Groselha negra
Propriedade medicinal- Anti-Hemorroidal
Precisas que te arranje para estes fins?

10:29 da manhã  
Blogger VinhoDaCasa said...

Caros,

Tive oportunidade de provar o Finca Sandoval e concordo com o Presidente.

É um vinho de classe mundial.
Potente na boca, equilibrado na acidez, nunca deixando o vinho cair para lados muito gulosos. Tem um aroma muito complexo, com um perfil mineral que uma vez mais suporta o perfil da região tórrida de onde vem, Manchuela. É um Syrah (76%) de grande estirpe.

Em breve vai estar disponível no WinePt.


Um abraço


Um abraço

3:37 da tarde  
Blogger Chalana said...

E são estas discussões q tornam o mundo dos vinhos tão fascinante...

P mim não é um vinho de "estalo"...mas ainda sou junior.

Já temos vinhos escolhidos para o encontro do dia 31.

Um abraço a todos.

NA

8:50 da tarde  
Blogger Presidente said...

Ruinart Rose
Cape Mentelle sauvignon Blanc/semillion 2006
Pequeno João 2004 (Magnum)
Quinta dos Carvalhais Unico 2005
Paulo Laureano Alicante Bouchet 2005
Campbell's Muscat (australia) 95pt RP

Ainda estão a tempo de mudar qq vinho , porque ainda não adquiri nenhum.
Mas foram estes os escolhidos na ultima quinta feira.

10:35 da manhã  
Blogger Chalana said...

Carissimos,

Apenas gostava de salientar a nota atribuida pela "Blue" à Herdade dos Grous Reserva - 18,5 , claramente na minha opinião o vencedor da ultima prova e com uma temperatura desadequada, possivelmente os meus 16,5 subiam umas notas.... :)

Belo vinho a degustar numa proxima oportunidade a temperaturas aconselhaveis.

Abraços aos Puristas!!!

5:33 da tarde  
Blogger Presidente said...

A mesma revista deu nota 18 ao Montes Claros Reserva 2004, o que na minha opinião é perfeitamente desajustado.

São uns mãos largas, não sei que nota dariam a um Vinha Maria Teresa, talvez 21??? e não sei que nota dariam se provassem o Finca Sandoval.

Isto é tudo uma questão de gosto. Eu se tivesse de escolher entre Finca Sandoval a 22€ e o Herdade dos Grous reserva a 29€.
Optaria naturalmente pelo primeiro, mesmo se o preço fosse ao contrário.

5:59 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

Presidente deixe as pessoas dar a sua opinião...Voçê não é socio da empresa detentora da marca Finca Sandoval,pois não?

12:42 da tarde  
Blogger Presidente said...

Aqui ficam as pessoas confirmadas e as que não podem ir ao próximo jantar de 31/05.
Confirmadas:
Presidente
Sousa
Chaparro
Mario joão
Malé
Chalana
Velho
Serra
Psi
Mané
Lilaia

Indiponiveis:
Barata

Falta confirmar:
Mezaros
António Matos
Nuno
Pita
Toninho

11:59 da manhã  
Blogger Presidente said...

Aqui ficam as pessoas confirmadas e as que não podem ir ao próximo jantar de 31/05.
Confirmadas:
Presidente
Sousa
Chaparro
Mario joão
Malé
Chalana
Velho
Serra
Psi
Mané
Lilaia
António matos
Nuno
Toninho


Indiponiveis:
Barata
pita
Mezaros

12:02 da tarde  
Blogger Chalana said...

Ja temos o Menu do jantar definido....

A prova é ás cegas?

Um abraço

12:15 da tarde  
Blogger Presidente said...

A prova será ás cegas

Ementa:
Folhado de queijo de cabra sobre salada crocante

Filet de Dourada em crosta de pinhão e maçã c/ espargos verdes”

Magret de pato confitado c/crocante de batata doce, massa de arroz salteada em caju e gengibre

Estaladiços de baunilha e canela em molho de frutos do bosque

Preço : 20€ / pessoa

Espero que seja do vosso agrado

2:40 da tarde  
Anonymous António Amaro said...

Caro Presidente

Parece-me um bom menu.
Só falta testarmos as "maridagens" vinhos com os pratos.
Esperemos que seja desta que o Pequeno João vá ver o pato...

Até sábado

4:05 da tarde  
Blogger Mario Joao said...

Amigo Malé : não percebi ! É o Pequeno João que vai ver o pato ou vai "saber" a pato..... ????
Agora fiquei confuso.... ;-))
Até sábado puristas....

7:21 da tarde  
Anonymous Antonio Amaro said...

Bom dia Mário João

Penso que agora não haverá duvidas.
Já podemos dizer que saberá a pato...

Abraços

11:11 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

<