Puros & Vinhos

quinta-feira, novembro 24, 2005

MAGNANIME JANTAR DE NATAL DOS PUROS & VINHOS



Á mesa estavam mais uma vez reunidos o grupo Puros & Vinhos, Luis Diniz, Paulo Sousa, António Chaparro, Nuno Cardoso, Luis Pedro, António Matos, Pedro Lilaia, Paulo Serra, Nuno santos, Mané Cerejo, Pita, Barata, Malé, Mário João, Nuno Anjo, Nuno Mezaros e o Sérgio. Alinharam na "grelha de partida" para mais uma prova dos Puros & Vinhos os seguintes vinhos: Ruinart Blanc des Blancs; Esporão Private Selection branco 2004; Vallado reserva 2003; Quinta de Vale Meão 2003 e Mas Doix 2000. Conseguem vislumbrar um motivo maior para fazer crescer "vinho na boca"? Então imaginem......em MAGNUM! Um privilégio raro não só pelo reduzido número de exemplares produzidos, mas também por se tratar de um formato consensualmente aceite como o que mais favorece a evolução e o potencial de envelhecimento dos vinhos. As delícias de qualquer enófilo.... Enfim, tudo em grande...

Comecemos pelo Ruinart, tonalidade citrina suavemente esverdeada. Notas de pão fresco, ananás, maçã, bolha fina e mousse bastante macia a deixar que a fruta se expresse com maior definição. Ataque macio, contido no gás, revelando frescura, bem expressa na vivacidade e intensidade dos sabores citrinos. Boa persistência final, com suave secura, repetindo as notas citrinas. Um conjunto que emana algum requinte e refinamento ( 17,54 Pontos).

Quanto HES 2004 Nº2 ( Herdade do Esporão Selection 2004 Branco ) um vinho contra a corrente, um branco que desafia convenções e que assumidamente expressa a vontade de fazer diferente, uma aposta muito original! Basta vê-lo no copo, com a sua cor dourada muito velha, para se perceber que este branco é diferente. Este estilo de cor só costuma aparecer após anos, décadas de vida, sendo insólita num vinho ainda tão jovem. Mas se por acaso a cor lhe passar ao lado, o nariz encarrega-se imediatamente de o alertar para as particularidades deste branco original. Um aroma denso, de fruta cozida, pêra, marmelo em calda e nêspera muito madura. Mas o que mais impressiona é a madeira, as frescas notas de menta e eucalipto, e mesmo uma ou outra indicação de avelãs.Gordo, volumoso, boa acidez que disfarça as pregas da gordura... o vinho nunca se torna plano, final longo, persistente, foi considerado o melhor vinho português provado pelo grupo ( 18,50 pontos ).

A classificação final dos vinhos tintos foi a seguinte:

1º Mas Doix 2000 17,93
2º Quinta de Vale Meão 2003 17,87
3º Quinta do Vallado 2003 Reseva 15,43

Em relação aos dois vinhos portugueses e com óbvias oscilações de vinho para vinho, ambos se mostraram fechados de inicio, talvez por serem muito jovens, mas a impressão geral dá conta de uma preocupação clara com a harmonia e o equilíbrio dos vinhos em detrimento da potência e da concentração. E, a melhor prova disso é que sendo vinhos com elevada graduação, denotam uma boa integração alcoólica. Percebe-se que não se anda ali à procura de "monstros", vinhos retintos, macerações extremas e de álcool "à flor da pele". Menos fechados que muitas "estrelas" do firmamento duriense, sem a severidade de alguns aromas químicos, denotando sempre a presença de frutos vermelhos, um cunho especiado e uma muito envolvente componente balsâmica que lhes confere originalidade e os torna particularmente sedutores ao nariz, neste particular o Vale Meão mostrou-se melhor, na boca os vinhos mostram-se medianamente encorpados, primando pela elegância e deixando sempre perceber uma evidente componente frutada. Não sendo portentos de estrutura, rejeitam qualquer "lapso" ou "hiato" na evolução e manifestam apreciável persistência final.

Ao contrário o “ Mas Doix 2000 “ , como é costume na região, é negro, opaco, impenetrável, um buraco negro onde apenas o bordo se mostra violáceo. Aromas potentes e complexos, onde se destacam as fortes notas minerais e balsâmicas, as especiarias, baunilha, ervas de tempero, incenso, fumados, tosta, café e sintomas de torrefacção. Depois entra em cena a fruta, ampla e opulenta, muito concentrada, madura, muita cereja, ameixa, ameixa confitada, amora, mirtilos, uma fruta franca, generosa e muito elegante. Mas há mais, as notas de madeira exótica, cedro e acácia, chocolate, notas licorosas, terra molhada, bosque, cogumelos, um mundo de cheiros que entusiasma e nos deixa apaixonados pela fragrância aromática que se liberta do copo.Potente, equilibrado, amplo e elegante, concentrado, mostra uma boa combinação entre potência e suavidade. Levemente doce, taninos possantes, encorpado, rico, revela enorme concentração de fruta preta, bem acompanhado pela acidez discreta mas potenciadora da frescura deste Priorato. Final muito longo, carnudo, é um vinho de hipérboles que apesar da dimensão nunca cai no disparate ou no exagero. Um vinho que dá enorme prazer beber e que embora dando enorme prazer agora, deve ser guardado para começar a ser aberto daqui a algum tempo.

Quanto ao Krasher, este Beerenauslese cumpre a delicada e espinhosa missão de servir de "cavalo de batalha", ou seja de entrada de gama do produtor. E, meu Deus, se isto é o segmento baixo, resta-nos apenas suspirar e sonhar com a gama alta, que essa, não deve ser para meros mortais! A primeira "bofetada" que nos atinge, é a dimensão da fruta exótica, de toda a luxúria que representa. Fruta muito madura, quase decadente, fruta que se situa num ponto intermédio entre o barroco e o surrealismo. Logo em seguida surgem em catadupla o mel, a compota, o pêssego, a casca de pêssego e alperce, o melão, a bolacha, os aromas florais e novamente o mel.A boca apenas confirma o que já esperávamos, uma suave doçura apoiada num acidez intensa, o pêssego a dominar e o álcool a nem se notar. Não é o vinho mais complexo do mundo na boca, mas é um vinho que gera muitas horas de prazer. É um belo vinho. (17,40 pontos)

Por último falemos mais uma vez do DSF Moscatel/Armagnac, um Moscatel demolidor. Este Moscatel já mostra cor ambarina perfeita, um acobreado ligeiro que enche o olho. Mas nada nos pode preparar para o que aí vem, uma invasão aromática de tal intensidade que basta uma pinguinha no copo para perfumar uma sala de dimensões generosas. Aroma muito melado, melaço, cana de açúcar, reconhece-se o Armagnac, por vezes lembra Cointreau pela forte presença da laranja fresca e da casca de laranja cristalizada. Ainda há tempo para as notas citrinas e para uma leve torrefacção, isto é um festim para o nariz, uma explosão aromática que quase assusta.Infinito, infindável, atenção que ele não sai da boca e no dia seguinte ainda fica no palato e no paladar! Insinuante, fresco, arrasa com o caramelo, a laranja, as farripas de laranja cristalizada com chocolate.(19,95 pontos)

Por último, os nossos sinceros agradecimentos a Lidia Conde, Nuno, Luis e ao Cheff Valter do Hotel Leziria Park em Vila Franca de Xira. Não fossem o seu empenho e a sua total disponibilidade e nada disto teria sido possível. Revelaram enorme profissionalismo e desempenharam exemplarmente o papel de anfitriões. A eles se deve toda a estrutura logística montada em redor deste evento: salas, e toda a panóplia de requisitos indispensáveis para uma Magnânima prova... de cair para o lado!Uma refeição esmerada, uma gastronomia de elevado padrão qualitativo e concepções culinárias com elevado sentido estético, um grande obrigado.

21 Comments:

Anonymous António Chaparro said...

Espectacular.......só tenho 2 palavras......fantastico.....1 abraço para todos os presentes no jantar.....Presidente sempre.....

12:45 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

quem é que escreveu isto?

11:50 da manhã  
Blogger PAULO SOUSA said...

MELHOR VINHO DO JANTAR FOI O BRANCO(PRIVATE SELLECTION) DA HERDADE DO ESPORÃO...
UM ABRAÇO PARA TODOS OS QUE ESTIVERAM PRESENTES NO JANTAR...
E JÁ AGORA DURANTE O PERIODO NATALICIO TOMEM NOTA DO QUE VÃO BEBER,E PARTILHEM A VOSSA OPINIÃO COM A MALTA QUE ESCREVE NO BLOG...

11:53 da manhã  
Blogger PAULO SOUSA said...

MALTA, QUINTA DA SARDONIA ESTÁ Á VENDA NAS COISAS DO ARCO DO VINHO(O VINHO MELHOR CLASSIFICADO NO CONFRONTO DOURO/DUERO).AINDA NÃO SEI O PREÇO.

11:55 da manhã  
Blogger Presidente said...

Sr Paulo sousa quem escreveu fui eu, acha que eu não tenho capacidade para elaborar um texto condigno com o nosso grupo.
posso lhe dizer que quando compramos livros sobre qualquer assunto, como por exemplo "VINHOS" devemos ler e guardar, e depois quando precisarmos de alguma informação para completar por exemplo uma "CRÒNICA" devemos abrir novamente os livros e identificar aromas, provas de boca e finais de boca que encontramos nas provas.
Mas fica desde já feita uma sugestão a próxima crónica será feita pelo meu caro amigo Sr. Paulo Sousa

12:46 da tarde  
Anonymous A.Chaparro said...

Só nós três é que trocamos opinioes no blog.....????

3:05 da tarde  
Anonymous Leziria Parque Hotel said...

Em nome da direcção e do staff do Leziria Parque Hotel, vimos agradecer o vosso comentário acerca dos nossos serviços.É com enorme satisfação que vos recebemos, o grupo Puros & Vinhos é um grupo fantástico que preza pela qualidade, que sabe apreciar boa comida portuguesa, que dá valor a um bom serviço e a nós uma enorme satisfação em servir. Não é demais vos agradecer de serem nossos Clientes.
A todos os Purista e suas Familias desejamos um Feliz Natal e um Ano Novo cheio de coisas boas.

3:52 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

GOSTARIA TAMBÉM DE AGRADECER A TODO O STAFF DO HOTEL LEZIRIA,A PACIENCIA ENORME DE NOS ATURAR ATÉ QUASE ÁS DUAS DA MANHÃ.
UM BOM NATAL PARA TODOS VÓS,DE PREFERENCIA COM BOA COMIDA,BONS VINHOS E BONS CHARUTOS.

4:51 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

JÁ SAIU A REVISTA DE VINHOS DESTE MÊS?

4:54 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

JÁ ESTOU EM ESTÁGIO PARA ESCREVER A PRÓXIMA CRÓNICA...SEM PLÁGIOS

4:56 da tarde  
Blogger Presidente said...

penso que ainda não saiu a revista de vinhos este mês.
Não houve plágio nesta crónica, somente um conjugar de várias sensações lidas em livros que condiziam com as notas dadas pelos provadores. E isto só aconteceu nas notas de prova dadas aos seguintes vinhos: HES 2004; Mas Doix 2000 e DSF Moscatel/Armagnac.
Espero que a próxima prova seja tão ou melhor do que a Magnãnima, porque a tua crónica vai ser espetacular e não vou duvidar uma só palavra daquilo que escreveres,AMIGO

5:28 da tarde  
Anonymous a chaparro said...

Quero tambem agradecer e retribuir os votos de boas festas para o staff do hotel leziria....

5:59 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Eu não quero entrar em polémicas....mas tambem acho que houve plágio na crónica do sr. presidente.......e plágio a sério....

6:01 da tarde  
Anonymous Chalana said...

As lides ainda não são muitas mas das vividas posso concerteza exclamar e desculpem o clubismo, que GLORIOSO JANTAR!!!
O branco é um vinho do além, quase perfeito, uma obra divina.
Um abraço para todos e que venha o próximo.

9:36 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

BEM VINDO AO FORÚM SR CHALANA.

8:01 da manhã  
Blogger 14/8 said...

Grande texto... grande presidente... excelente blog... fabulosos amigos.

ps: tambem gosto da Clara Pinto Correia

12:10 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

GOSTEI DA BOCA DO CATORZE DE AGOSTO

2:44 da tarde  
Blogger 14/8 said...

0 14 / 8 nao é data... é graduacao!
Como o nome do restaurante de primeirissima agua que tinhamos ca.

3:10 da tarde  
Blogger Presidente said...

As pessoas que estiveram presentes no jantar que tiraram fotografias, podem fazer o favor de enviar as mesmas para o meu email para serem expostas no blog, obrigado

11:15 da manhã  
Blogger PAULO SOUSA said...

A TODOS OS PURISTAS DESEJO UM SANTO NATAL(CHEIO DE BONS VINHOS).UM ABRAÇO
PAULO SOUSA

3:03 da tarde  
Anonymous Chalana said...

Para todos um Feliz Natal repleto de felicidade.

UM ABRAÇO

12:53 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

<