Puros & Vinhos

segunda-feira, dezembro 17, 2007

"Tremendo" Jantar de Natal 2007 com as Marias junto á Vinha da Ponte


Mais uma vez o grupo Puros & Vinhos, juntou-se á mesa para fazer uma "tremenda" prova cega de vinhos. O grupo este ano estava muito reduzido devido a problemas de calendarização que surgem nestas alturas festivas, e uma delas teve a ver com a saúde de um dos elementos mais emblemáticos deste grupo o Sr. António Chaparro, que já está melhor da saúde mas não está muito bem por ter perdido este jantar.
Estavam presente os seguintes elementos: Luis Diniz, Paulo Sousa, Serra, Mané, João Pedro, Pita, Nuno Anjo, Nuno Santos, Malé, Luis Pedro e o Mário João.
Os vinhos escolhidos foram os seguintes: Champagne Jacquesson Cuvée 731 e Conceito Branco 2006 para o começo do jantar.
Para a prova cega foram escolhido 4 vinhos: Dona Maria Reserva 2004, Marias da Malhadinha 2004, Termanthia 2003 e o Quinta do Crasto Vinha da Ponte 2004.
Estavam assim reunidas as condições para mais uma excelente prova cega, que se perspectivava difícil e de elevada qualidade.
Deixo aqui a média das notas atribuídas aos vinhos provados em prova cega, por ordem de saída:
Dona Maria Reserva 2004 - 17,30
Marias da Malhadinha 2004 - 16,90
Termanthia 2003 - 17,25
Quinta do Crasto Vinha da Ponte 2004 - 17,60
Champagne Jacquesson Cuvée 731 - Ouro palha a trazer à memória a tonalidade pérola. Nariz a trazer à superfície a marca do fermento, a maçã, os citrinos e os frutos secos, tudo envolto numa ambiência suavemente tostada. Ataque bastante macio e mosse com boa cremosidade a realçar a notas de maçã e fruto seco no meio do palato. Final consistente, moderado na secura e deixando uma impressão geral de elegância e finura. Nota : 14,35


Conceito Branco 2006 (Douro) - Este Conceito indica logo no primeiro contacto que é um vinho encorpado, cheio, carregado de personalidade, um branco que nos aponta um caminho seguro para o lado floral, misturado com muita pimenta branca e fortes indícios de tomilho. Enterradas nas profundezas do copo, despontam leves sugestões citrinas.Possante, glicérico, entroncado, e um pilar de segurança, um vinho robusto sem nunca ser rude. Acidez muito bem integrada, será difícil encontrar um vinho que se adeqúe mais à mesa que este Conceito 2004.. Não o perca, prove-o com muita atenção, e verá que lhe será impossível resistir.Um excelente Conceito do que deve ser um vinho branco. Nota: 16,85
Dona Maria Reserva 2004 Tn (Alentejo) –Apresenta cor vermelho vivo, quase violeta, com boa concentração e excelente impacto visual. É muito interessante verificar que a primeira "cheiradela" transmite de imediato uma vigorosa sensação de mineralidade e de expressão de "terroir". Bom sinal e um bom começo! Depois, depois surgem em leves tranches a fruta elegante, discreta, muito bem comportada. Fruta distinta e muito sóbria, sem sinais de sobre maturação ou sobre-extracção. É notória a finura aromática transmitida, a sensação de equilíbrio emanada, a paz Zen, a quase espiritualidade. Finalmente percebe-se que a madeira só o ajudou, sem marcar a prova, antes servindo de suporte, potenciando as suas virtudes aromáticas.A boca é um modelo de finura e elegância. É distinta, nobre, aristocrática, sóbria. Final longo, muito longo, extremamente longo... temos vinho! Tanino presente, potente mas sensível e muito bem integrado, acidez vincada mas sustentadora, estamos perante um vinho atípico de Portugal e que pouco tem a ver com os seus vizinhos alentejanos.Um belo vinho alentejano. Nota: 17,30


Marias da Malhadinha 2004 Tn (Alentejo) – Comecemos pela cor vermelho rubi brilhante, grande concentração e menisco violáceo. Aromas amplos, "espaçosos", envolventes, uma combinação sóbria e bem gerida de fruta, tosta e aromas secundários. Falemos então da tosta e dos austeros aromas fumados, da elegante presença da cereja, ameixa e groselha, do chocolate preto, do couro, da distinta presença mineral e das suaves notas adocicadas que marcam o final.Um conjunto deveras atraente e onde o álcool não marca presença.Boca cheia, poderosa, consegue conjugar elegância com austeridade e energia. Taninos sólidos mas bem acomodados, estrutura mediana que não impressiona pela potência mas sim pelo charme. Acidez viva, ainda precisa de mais tempo para ganhar amplitude na fruta e integrar a madeira e acidez na perfeição. Final médio/longo, suave e intenso, temos um vinho elegante que apetece beber... e guardar! Nota: 16,90

Termanthia 2003 Tn (Toro/Espanha) - O primeiro impacto não engana - estamos perante um grande vinho. Nariz denso, profundo, com fruta madura a lembrar compota de cereja e ginga. A madeira confere estrutura ao carácter da fruta, introduzindo componentes a café, caramelo e chocolate. Mas a virtude reside na vivacidade e frescura deste conjunto de aromas, carinhosamente envolvidos por uma vertente vegetal/balsâmica. Na boca revela força, estrutura, densidade. Os taninos pujantes, plenos de densidade, agarram o palato com garra, aprofundando sabores a fruta e café. São secundados por uma acidez fresca que prolonga a nossa imaginação para além do real. Tem raça e futuro este grande Toro. Se aprecia a opulência, aconselho que o acompanhe com uma carne de sabor intenso. Nota: 17,25


Quinta do Crasto Vinha da Ponte 2004 Tn (Douro) - Nariz bastante original e distinto. Inicialmente, os aromas a tabaco, a fumo e a pólvora marcam um perfil "explosivo". Com a evolução no copo, a complexidade torna-se evidente, com cheiros a fruta, a licor, a canela, e a torrefacção. Na boca a acidez viva é muito agradável. Os taninos envolvem-se na concentração de sabor, criando uma textura aveludada que perdura no palato médio. O final de boca é persistente e complexo, com sabores a fruto preto e tabaco. Um vinho que, para o meu gosto, peca, apenas, por ter aromas demasiado "fumados". Mas, a prova de boca é inesquecível. Nota: 17,60
Para a sobremesa o vinho escolhido foi:


Alvear Pedro Ximenez de Añada 2004 Sobremesa ( Espanha) – Apresenta uma bonita cor âmbar escuro, quando cai no copo é muito meloso e denso. Aromas a figos muito maduros. Na boca segue o caminho do figo muito doce, tem de ser bebido muito fresco, senão pode tornar enjoativo. Final longo, muito longo. Teve 96pt na Wine Advocate de Robert Parker. Nota: 16,50
E para final de jantar, a acompanhar os belos Puros escolhidos por cada um para o jantar o seguinte vinho:

Quinta do Vesuvio Vintage 2005 Porto - Descrever a cor deste vinho é uma tarefa perfeitamente inócua: é tudo preto, à excepção dos tons violáceos do bordo. A aproximação ao nariz é pautada por uma enorme doçura de fruto, nada enjoativo, em harmonia perfeita com um cunho vegetal muito vincado donde, esporadicamente, se liberta uma fragrância floral de extrema sensualidade. De tudo isto emerge um conjunto cheio de força e vigor, impressionante na frescura, com o vinho a suplicar que o mastiguem. Uma prova sempre em crescendo que culmina com aquela sensação de «tremor» nas gengivas... Indescritível. Ao concluir esta nota de prova o final de boca ainda lá estava. Que mais se pode exigir a um vintage novo? Só se for que envelheça!
Foi uma oferta do confrade Luis Pedro que comprou este vintage por ser do ano do nascimento da sua filha Joana. Por isso um brinde á Joana. Nota: 18,36

Falta falar do aspecto gastronómico, lamento dizer mas não conseguiu acompanhar o nível dos vinhos, embora o seu Buffet Campestre seja bom, as pessoas puseram-nos literalmente na rua, o que foi manifestamente desagradável. Salvou-se um elemento o sr. Diogo que fez um excelente acompanhamento da prova, mostrando todas as suas qualidades no servir bem e bem receber.
Um espaço tão agradável a meia hora do bulício da capital com as lezírias por companhia a as correspondentes beleza, tranquilidade e paz ; integrado no espaço da centenária Companhia das Lezírias fundada em 1836, vinte mil hectares de terras dedicadas á agricultura, á pecuária e á floresta convidam a uma refeição tranquila em pleno ambiente campestre, merecia melhor atenção por parte das pessoas responsáveis.
purosevinhos@gmail.com

10 Comments:

Anonymous Chalana said...

Para começar gostava de deixar uma palvra de apreço ao nosso presidente pela dedicação, empenho e qualidade que coloca em cada "encontro" do clube. Parabéns e mantém esta bitola.

Excelente "naipe" de botijas à prova!!! Os tintos todos eles muito equilibrados, e o Conceito é claramente um conceito de vinho branco em si.

Penso que realmente o restaurante ficou àquem dos standards habituais, para prova de vinhos não me parece o mais indicado.

Gostava de lançar uma questão para 2008, por diversas vezes as quotas não são suficientes para adquirir os vinhos, porque não optar por aumentar as quotas ou seleccionar os vinhos em função do orçamento.

A todos os membros do Grupo um Santo e Feliz Natal e um 2008 cheio de coisas boas.

Saudações Puristas.

5:38 da tarde  
Blogger Mario Joao said...

Em 1º lugar espero que o nosso confrade A.Chaparro esteja devidamente recuperado da maleita que o impediu de estar presente neste jantar de Natal. Eu sei que ele gostaria de ter participado e todos nós sentimos a sua falta! Em 2º lugar e de um modo geral, gostei dos vinhos à prova : O Conceito branco deixa-me feliz pois apesar de não conhecer tinha comprado uma garrafita. Boa compra ! Nos Tintos tivémos uma excelente competição mas o Dona Maria Reserva e o excelente Vinha da Ponte destacaram-se, e eu pessoalmente tinha o Vinha da Ponte atravessado pois ainda não o tinha conseguido apreciar. Dou de barato, que o Alvear, não estava à temperatura ideal mas sinceramente não gostei ! Enjoativo e bota ainda mais enjoativo nisso !O Quinta do Vesúvio Vintage revelou-se muito bom e o motivo da sua oferta, que me era desconhecido ( ano de nascimento da Joana ) foi de bom tom. Um abraço ao nosso confrade Luís Pedro, pai da criança. Faltou-me o champanhe que achei, francamente , o mais fraco de quantos já provámos nestas tertúlias. Quanto ao local do jantar é um espaço agradavél mas não o melhor para este tipo de eventos ( talvez num almoço... )e não teve a hospitalidade a que estamos habituados ! Talvez, muito mal ( Muito bem eu diria..) habituados...
Concordo com a sugestão do confrade Chalana num aumento de 50 % para as quotas, que nos permita ter um fundo de maneio mais adequado ao nivel de vinhos em que nos temos "viciado"...
Um grande abraço ao nosso Presidente pela organização e empenho em que tudo corra bem. E o frio do caraças que estava na leziria à Meia noite ...????
Para terminar, a todos os Puristas e suas familias, os desejos de um FELIZ e SANTO NATAL !

9:01 da tarde  
Blogger Presidente said...

Então eu deixo aqui outra opinião que é a seguinte:
- Mantemos o valor das quotas, e o jantar de Natal que é sempre o ultimo será utilizado o valor total das quotas angariadas.

- Em cada outro dos jantares será feito um orçamento dos vinhos a comprar, o qual será dividido por todos os elementos que comparecerem ao jantar.

Atenção que do ano de 2007 a caixa tem a haver 120€ de quotas em atraso de confrades que não compareceram ao ultimo jantar.
Se esses confrades tivessem comparecido a quota suplementar não seria 19,9€ mas sim 10€ que era o mais razoável.
Sei que houve pessoas que acharam muito dinheiro pelos vinhos, mas vou deixar aqui claro as contas feitas para não deixar duvidas:
Custo dos vinhos: 659,64€
Caixa: 185€ (este valor refere-se a alguns confrades que no anterior jantar anteciparam as quotas)
Valor em falta: 474,64€
quotas recebidas no jantar:255€
valor em falta:219,64
Este valor a dividir por os 11 confrades presentes: 19.96€

Penso não deixar duvidas

Agora querem manter o nivel ou superar ou querem baixar?

10:19 da manhã  
Blogger Presidente said...

Não sei se repararam, mas está inserido um distico no blog, da super bock para eleger os melhores blogs. Já inscrevi o nosso.
Espero que se inscrevam para poderem votar.
è só carregarem no distico que ele direcciona logo a página. Depois carregam em votar e inserem o vosso email. Quando for a fase de votar será enviado um mail para poderem votar.

Um abraço

5:04 da tarde  
Anonymous Kroniketas said...

É só para deixar votos de boas festas. Um abraço.

7:36 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

Bom tantos assuntos para comentar:

1.Restaurante sem condições para aquilo que pretendemos.

2.O melhor lote de vinhos num jantar dos Puros.

3.Concordo com o presidente no que respeita aos orçamentos para os jantares.

Um grande abraço para todos os membros dos Puros e vinhos e respectivas familias.

8:09 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

Já agora o que se vai beber na passagem de ano?

11:30 da manhã  
Anonymous Chalana said...

À base de muito alcool e pouco vinho....mas como a malta vai ganhando uns cabelos brancos e juizo vou tentar levar umas botijas para apreciarmos.

Espero que os meus amigos revelem os melhores de 2007.

3:36 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

UM GRANDE ANO DE 2008 PARA TODOS OS ELEMENTOS DO PUROS E RESPECTIVAS FAMILIAS.

5:36 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

Está para breve a divulgação dos melhores do ano para Paulo Sousa...

10:19 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

<