Puros & Vinhos

quinta-feira, julho 31, 2008

Uma visita ao restaurante "Club" em Vila Franca de Xira



O novo restaurante "Club" em Vila Franca de Xira é uma lufada de ar fresco para a cidade ribatejana. Aproveitando o espaço do "Clube Vilafranquense", uma casa centenária nascida em 1886, vestido com uma idumentária informal e chique, de luz suave e música que vai bem com o espirito em estado flutuante.
Penso que o mesmo foi criado para todas as pessoas que gostam de comer bem e que procuram inovação e qualidade gastronómica.

A ementa pode-se dizer que é uma conjugação de tradição e modernidade, foram criadas receitas onde a identidade dos produtos foi respeitada e a sua combinação valorizou significativamente o conjunto. E isto constitui, para além de um gesto criativo, uma incontorável mais-valia para o cliente e para a região.


O jovem Chefe é Henrique Mouro trabalhou com Aimé Barroyer durante sete anos no restaurante "Valle-Flôr" no hotel Pestana Palace, segue por isso a mesma linha de orientação mas com um toque pessoal em tudo o que faz.

O jantar foi totalmente comandado pelo Chefe Henrique, e ele e a sua equipa não se fez rogada porporcionando um manjar dos Deuses, que passo aqui a descrever:

MIMOS CÁ DA TERRA


"Folhinhas de Louro", linguadinhos e camarões do rio e morangos, ensaios sobre uma combinação ( Divinal é a palavra, um prato ribatejano criativo)

Melão encapotado e assado em presunto alentejano ( Estava correcto, uma entrada tradicional mas elaborada e distinta)

Um consommé á portuguesa (Muito bom)

Um caldinho de caracois e um pastel com oregãos (um espétaculo de sabores)

D'entre o Tejo e o sado Enguias de tomatada e batata-doce num puré ( excelente e criativo este prato tipicamente ribatejano)



DA SUGESTÃO DE UM AVIEIRO

Corvina do rio num caldo de navalheira e salada de chocos ( uma conjugação de aromas e sabores para mais tarde recordar, é um dever experimentar este prato)

DE UMA TOURADA

Lombo, chambão e pivete numa ilustre reunião ( uma homenagem á festa brava, a carne estava seculenta feita com produtos da região)




O PECADO DA GULA

Morangos e gelado de pampilho (uma brisa deVerão)

Limão numa mousse de queijo fresco (Um refresco)

O pudim de pão com gelado de cereja ( delicioso)

Chocolate, hortelã e groselhas ( um pecado para a dieta)

Já sei, já sei, falta falar dos vinhos, a carta dos vinhos está bem elaborada e bem explicada. Os preços são ajustados, existe vinho a copo e é praticado o "BYOB-Bring your own Botle". E foi isso que fizemos, levei comigo três garafitas, que passo aqui a descrever:

Didier Dagueneau Pouilly Fume Buisson Renard 2004 (Br-França) -
Cor amarelo ouro claro. Basta levar o copo ao nariz pela primeira vez para logo a boca se abrir de espanto face a tamanha concentração, complexidade e intensidade. Surge de imediato um sentimento de alvoroço na perspectiva de nos dedicarmos à tarefa hercúlea de conseguir catalogar tantos aromas e de origem tão diversa. Sejamos então sistemáticos. Podemos começar pela fruta, pela maçã madura, pela pêra generosa e pelos pormenores suaves a pêssego. Temos também de mencionar as notas melosas, a profundidade da terra molhada e o toque de caramelo. Finalmente, não podemos passar ao lado do fantástico lado floral, um jardim na graça da primavera a iluminar as narinas. Sempre sem exageros, sem impertinências, sempre responsável e bem-educado.
Intenso, mineral, cheio de gravilha, cobre o palato de fruta branca, numa explosão mista de fruta e pedra capaz de devolver a vida a um moto! Estruturado, relativamente gordo, a acidez não dá tréguas, mantendo-se sempre em forma, estaladiço e objectivo. É um vinho de enorme complexidade, rico e equilibrado e com um longo e poderoso fim de boca que convence os mais cépticos. Com vinhos brancos assim, quem é que tem coragem para dizer que só tinto é que é vinho? Nota:17

Two Hands Lily's Garden Shiraz 2004 (Tn-Austrália- Mclaren Valley) - Um verdadeiro «Blockbuster», portentoso na côr e na concentração. Ultra-glicerinado, chora que se desunha e, contudo, não se lhe vislumbra o mais pequeno"beliscão" alcoólico. Enorme vigor aromático, de empatia imediata, com a doçura do fruto preto ( ameixa e cereja ) e as notas especiadas entrelaçadas com a mais sedutora das madeiras. Uma boca irrepreensivel, de perfil "XXL", onde o corpo, estrutura, extracto, frescura, arquitectura titânica e final deixam qualquer um boquiaberto. Um tinto lindissimo, longe de modas, a alta-costura servida a copo.
Nota:18,50


La Cueva Del Contador (Tn-Espanha-Rioja) - O aroma é denso com notas evidentes de chocolate, de fruto preto, e de madeira. Uma componente gorda, a lembrar manteiga, confere um carácter espesso ao aroma. Ao agitar o copo soltam-nos nuances vegetais, a lembrar seiva e resina. Existe uma ligeira doçura.
Na boca, o final é longo e fresco, com persistência de sabores concentrados a madeira e a vegetais. A forte carga de taninos acaba por secar os sabores, originando uma envolvência moderada/longa do palato. Uma ligeira percepção amarga, indica-nos que o vinho necessita, ainda, de algum polimento. Devemos esperar pelo menos mais dois anos para voltar a abrir uma garrafa. Nota:17

Por fim desejo ao Sr.Manel e ao Sr. Ferreira proprietários do "Club" as melhores felicidades e sucesso para o seu novo e ambicioso projecto, eu pelo menos tentarei contribuir para que tal suceda.

Fica também aqui um agradecimento á Ângela e ao Jorge pelo profissionalismo e disponibilidade que apresentaram.

Pensamento : "Na carne em vinha de alhos é bom que a carne saiba a carne e os alhos saibam a alhos"

7 Comments:

Blogger Chalana said...

Bela jantarada com belos vinhos...

Quanto vale uma refeição no novo Club? Quem leva a garrafa tem alguma taxa indexada?

Podemos levar sem avisar, ou tem de ser previamente combinado.

11:01 da manhã  
Blogger Presidente said...

Uma refeição com entrada, prato principal, sobremesa e vinho a copo deverá ficar nos 40€.

Podes levar a garrafa sem avisar, existe uma taxa de serviço de copos

Digo que vale a pena.

Não é restaurante para ir todas as semanas, mas deve-se desfruatar de vez em quando de uma refeição esmerada como o clube porporciona

deves experimentar

11:29 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Venho por este meio felicitar-vos pelo vosso site, pela ideia inovadora e pela informação disponibilizada.

Em relação a este Post. Tenho a dizer que realmente o novo restaurante Club é sem dúvida um belíssimo restaurante. Começando pela decoração que salta logo à vista com as suas salas distintas, depois com o excelente serviço que é prestado e por fim pela comida... divinal.

Coisa que os <2> proprietarios Sr. Manuel Vieira e o Sr. Hersílio Ferreira (rectifico o erro no post) nos habituaram depois de algum tempo atrás terem aberto outro grande restaurante O Pote.

Obrigado e continuação de um belo trabalho

1:27 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

Bom dia,
Com algum atraso aqui fica o meu comentário ao restaurante Club:

Em relação á refeição,nada a apontar,excelente repasto com pratos onde se foram buscar produtos tradicionais e da região,dando lhe um toque difrente,sinceramente gostei muito.
Em relação ao negócio e um restaurante também é um negócio,este restaurante não pode ser só para o público Vilafranquense,tem que ser um negócio á escala do pais.Não é um Restaurante para todos os dias nem para todos os fins de semana(infelismente para mim).

Um abraço para o Henrique e para o Manel,e votos de boa sorte para este novo projecto.

P.S-O Two Hands é um vinho fabuloso

12:09 da tarde  
Blogger Presidente said...

Sr. Anónimo já foi feita a rectificação da crónica.

5:43 da tarde  
Blogger Presidente said...

Sr. Anónimo já foi feita a rectificação da crónica.

5:43 da tarde  
Blogger Chalana said...

Boas,

Após o regresso "às aulas" n realizavamos um quinta de regresso...que tal esta quinta dia 04 de Setembro???

O q dizem?

Um abraço a todos

12:18 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

<