Puros & Vinhos

segunda-feira, janeiro 30, 2006

O MERCADO FUTURO DE VINHOS, NA VISÃO DE ROBERT PARKER

Penso que os meus amigos estarão interessados na opinião dsete senhor, o guru dos vinhos, quem não estiver não leia e compre a wine advocat.

1 A distribuição será revolucionada
Prevejo o colapso total do convulsionado sistema triplo de distribuição vitivinícola dos Estados Unidos. O processo atual, um legado da Proibição, determina que todos os vinhos estrangeiros devam ser introduzidos no país por um importador, que os vende a um atacadista e que, por sua vez, vende-os novamente a um varejista. A maioria das adegas estadunidenses vendem a um distribuidor e este vende os vinhos a um varejista. É um sistema ineficiente e absurdo que eleva demais os preços para o consumidor. Este enfoque estreito (por culpa de todos os lobistas financiados pelos poderosos atacadistas de vinho e licores) está chegando a um terrível fim – ameaçado, em parte, pela facilidade comparativa de efetuar pedidos de vinhos pela Internet. Diferentes opiniões de tribunais federais durante a última década garantiram que finalmente a Corte Suprema terá de legislar sobre o fato das adegas poderem ou não vender diretamente a quem assim o desejar, seja um atacadista, varejista ou consumidor. Imagine, se puder, um grande castelo em Bordeaux, uma mini fazenda em Piedmont ou uma pequena adega artesanal na Califórnia que venda 100 por cento de sua produção diretamente a restaurantes, varejistas e consumidores. Creio que isto será possível para o ano 2.015.

2 A rede do vinho será a via principal
Os grupos de discussão de Internet, os sites sob medida para os fanáticos do vinho e os sites de última tecnologia das adegas disseminam informação instantânea sobre novos vinhos e novos produtores. Atualmente, devido à diversidade de viciados ao ciberespaço e aos assíduos usuários da Internet, estes sites serão a principal via em 10 anos. Uma ampla faixa de peritos, consultores, especialistas e assessores muito mais democráticos, e nerds parlanchines sobre vinho tomaram o papel das atuais publicações sobre vinhos.

3 Começarão guerras de remates vitivinícolas para os vinhos de primeira linha
A concorrência pelos vinhos de maior qualidade mundial aumentará exponencialmente. Os vinhos de produção mais limitada serão ainda mais caros e mais difíceis de serem conseguidos. O interesse crescente pelos vinhos finos na Ásia, América do Sul, América Central, Europa Oriental e Rússia, piorará ainda mais as coisas. Haverá guerras de remates pelas poucas caixas de vinhos de produção limitada e tão avaliada. Sem importar o alto preço dos vinhos na atualidade provenientes dos vinhedos mais longínquos, representam só uma fração do que estes vinhos conseguirão em uma década. Os norte-americanos ficarão furiosos ao observar os preços futuros para o primeiro crescimento do Bordeaux para 2.003 (uma média de $4.000 a caixa), mas se meus instintos não falharem, em 10 anos mais, uma grande vindima destas primeiras colheitas custarão mais de $10.000 a caixa... no mínimo. É muito simples: A qualidade destes grandes vinhos é limitada e sua demanda será pelo menos 10 vezes maior.

4 A França sentirá um arrepio
A globalização do vinho significará muitas coisas; a maioria delas serão más notícias para o país historicamente conhecido pela produção dos melhores vinhos do mundo: a França. O sistema de casta francês será ainda mais estratificado; cinco por cento das principais propriedades se transformarão nos vinhos mais tradicionais e terão preços astronômicos. Porém, a obsessão da França pela tradição e por manter o status quo ocasionará o colapso dos produtos que se negarem a reconhecer a natureza competitiva do mercado vitivinícola mundial. Procure vinhos de qualidade da Bulgária, Romênia, Rússia, México, China, Japão, Líbano, Turquia e, talvez, inclusive da Índia.

5 As rolhas sairão expulsadas
Creio que os vinhos engarrafados com rolha serão uma minoria em 2.015. A indústria da rolha não tem investido em técnicas para evitar que os vinhos “com rolha” sofram do cheiro à umidade e ao mofo, o que arruína até 15 por cento de todas as garrafas de vinho. As conseqüências desta atitude de laissez-faire será terrível. Cada vez mais adegas de última geração estão optando por tampas à rosca para vinhos que devem ser consumidos dentro de 3 a 4 anos após a colheita (cerca de 95 por cento dos vinhos mundiais). Espero que esta tendência se acelere. Stelvin, a tampa à rosca por excelência, será o padrão para a maioria dos vinhos do mundo. A única exceção será os grandes vinhos concebidos para um envelhecimento de 20 a 30 anos que ainda será terminado principalmente com rolha - apesar de que inclusive os fabricantes destes vinhos podem experimentar uma diminuição de consumidores se a indústria da rolha não solucionar o problema das rolhas defeituosas. As rolhas sintéticas, é claro, não são a solução. Não servem e não podem competir com as tampas à rosca Stelvin.

6 A Espanha será a estrela
Espero que a Espanha se mantenha em alta. Atualmente, está emergindo como o líder em criatividade e qualidade no que se refere ao vinho, combinando as mais delicadas características da tradição com uma filosofia vitivinícola moderada e progressista. A Espanha, após ter saído de um longo período de produção vitivinícola cooperativa que valorizou a quantidade sobre a qualidade, começou a reconhecer que conta com vários vinhedos antigos com um potencial quase ilimitado. As vinícolas espanholas reconhecem que não se encontram presas pela história ou à necessidade de manter o status quo que frustra e impossibilita tantos produtores franceses. Para o ano de 2.015, aquelas áreas que tradicionalmente produziam os vinhos mais finos da Espanha (Ribera del Duero e Rioja) terão tomado o segundo lugar, depois de regiões tão prometedoras como Toro, Jumilla e Priorat.

7 Crescerá o Malbec
No ano 2.015, a magnificência dos vinhos argentinos produzidos da uva Malbec será um fato comprovado. Este varietal francês, que não teve êxito na sua terra, em Bordeaux, alcançou impressionantes umbrais de qualidade na Argentina. Já estão sendo produzidos Malbecs econômicos, deliciosos e majestosos, profundamente complexos, provenientes de vinhedos altas elevações; e, até 2.015, esta uva ignorada por tanto tempo terá seu panteão garantido na terra dos vinhos nobres.

8 A Costa Central da Califórnia governará a América
Observemos os vinhos da Costa Central da Califórnia (uma enorme região que abrange desde a Contra Costa até Santa Bárbara) ocupar seu lugar junto aos engarrafados dos vales de Napa e Sonoma. Nenhuma região vitivinícola na América do Norte demostrou tanto progresso em qualidade e potencial de crescimento como na Costa Central, com seus varietais de Rhône, e a região de Santa Bárbara, onde os varietais Burgundies Chardonnay e Pinot Noir são plantados em seus climas mais frescos.

9 O Sul da Itália será mais importante
Enquanto poucos consumidores poderão pagar os Barolos e Barbarescos profundos de Piedmont (que estarão sujeitos a uma demanda frenética mundial 10 vezes maior que a atual), regiões como Umbria, Campania, Basilicata e as ilhas de Sicilia e Cerdeña serão nomes locais para 2.015. A revolução vitivinícola, atualmente em marcha na Itália, continuará e suas recompensas serão cada vez maiores durante a próxima década.

10 O vinho sem roble encontrará um público maior
Dado o estilo diverso cada vez maior dos alimentos que consumimos, bem como o abundante leque de sabores dos nossos pratos, cada vez haverá mais vinhos que ofereçam aromas e sabores assombrosos que não estejam marcados pelo envelhecimento em madeira. Brancos frescos e ligeiros, e tintos sensuais, saborosos e frutados terão grande demanda em 2.015, em comparação a 2.004. A madeira, porém, ainda será importante para os melhores varietais, bem como para os vinhos que se beneficiam do envelhecimento, mas estes vinhos só constituirão uma ínfima porção do mercado.

11 O valor será valorizado
Apesar de minha previsão maldita sobre o custo proibitivo dos melhores vinhos do mundo, haverá mais vinhos de alta qualidade e preço baixo. Esta tendência será liderada principalmente pelos países europeus, apesar de que a Austrália terá um papel importante. A Austrália aperfeiçoou sua agricultura industrial: nenhum outro país parece capaz de produzir um vinho de $8 tão bem como ela. No entanto, muitos desses vinhos são simples, frutados e, de alguma forma, sem espírito. A Austrália necessitará melhorar seu jogo e criar vinhos acessíveis com mais personalidade e interesse para competir no mercado mundial dentro de dez anos.

12 A palavra-chave será Diversidade
Para o ano 2.015, o mundo do vinho terá se tornado ainda mais diversificado. Veremos vinhos de qualidade de lugares inesperados, como: Bulgária, Romênia, Rússia, México, China, Japão, Líbano, Turquia e, talvez, Índia. Porém, acho que inclusive com todos estes novos produtores, não se chegará ao ponto de saturação, visto que maiores cifras da população mundial demandará o vinho como sua bebida alcoólica de preferência.

5 Comments:

Blogger Presidente said...

Aqui fica o novo blog onde serão inseridos as vossas notas de vinhos provados.

notadeprova.blogspot.com/

3:31 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

Obrigado uma vez mais presidente.
Já agora,aproveito a oportunidade para informar que já saiu finalmente a Revista de Vinhos de Janeiro.

3:58 da tarde  
Anonymous Chalana said...

Para alguem ainda "curioso" nisto, excelente analise do mercado, da q pensar para a industria portuguesa, Porter - guru da gestão já tinha alertado p isto, a inovação na embalagem é determinate p o crescimeto do negocio (cortiça - exportação), ainda assim é sempre uma visão "americanada" do negocio. Qualidade Vs Quantidade, aqui é a chave, dados reais de Portugal, 80% do consumo é feito com vinhos abaixo de 2 €.

Nem uma referência a Portugal...falta assim tanto??

10:34 da tarde  
Anonymous Chalana said...

E q tal um jantar de Carnaval??

Sabado - dia 25 de Fevereiro - caso n seja dia do SLB-FCP

10:39 da tarde  
Blogger PAULO SOUSA said...

Será que o sr Robert Parker é brasileiro?Pelo sotaque parece...é tempo de começar a pensar no próximo jantar...

12:59 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

<